A estratégia em tempos de COVID-19

Vimos como em poucos dias muitas empresas e governos instrumentalizaram modelos de trabalho remoto, treinaram (por meio de plataformas digitais) seus funcionários em soluções digitais nas quais não estavam acostumados a trabalhar na América Latina, adaptaram procedimentos e Eles promoveram um modo de trabalho digital colaborativo. Este processo de mudança tem sido realizado com maior agilidade e sucesso por aquelas empresas com alto grau de digitalização.

O COVID-19 e esta pandemia revelaram as necessidades de transformação tecnológica de muitas empresas, que viram como os seus ambientes de trabalho remotos eram ineficazes, as suas infraestruturas não suportavam o aumento do tráfego ou sofreram graves problemas de cibersegurança. Desta forma, as empresas devem enfrentar um processo que vai além da transformação, por isso falamos de uma metamorfose onde se desdobra um processo de mudança acelerada de adoção de facilitadores digitais e implementação de iniciativas que maximizem a flexibilidade e a criatividade dos seus colaboradores, para ter a oportunidade de sair da crise de forma mais exitosa.

Estrategia Disruptiva RC1

A crescente importância do macroambiente na Estratégia

A pandemia de COVID-19 trouxe um rompimento do macroambiente que varreu como um tsunami, todo o resto da análise que compõe a formulação da estratégia e, consequentemente, também exterminou grande parte das decisões tomadas, tornando-as inúteis para as empresas .

Neste caso; o coronavírus influenciou a tecnologia, pois fez com que todas as empresas se tornassem digitais; afundou economias de maneiras quase sem precedentes, mudou antigos costumes sociais depois de colocar o mundo em quarentena, e as leis não tiveram escolha a não ser se adaptar para regular o novo mundo que gerou.

“O que é evidente hoje já foi imaginário” - William Blake Essa é uma frase que define o pensamento de quem tem visão. As empresas bem-sucedidas são as inconformistas, aquelas que, mesmo no sucesso, estão sempre em busca de novos produtos ou serviços, formas inovadoras de competir.

As empresas que têm sucesso hoje estão ficando mais planas; as alianças tornam-se mais frequentes; a tecnologia assume maior destaque e os processos substituem os silos departamentais.

As situações vividas e resolvidas durante este período ajudaram-nos a identificar os nossos pontos fortes e fracos de forma prática e devem estimular-nos a pensar em como podemos ser mais flexíveis para adaptar os nossos processos, canais e modelos de trabalho de forma eficiente graças às soluções tecnológicas para nosso escopo para obter o menor impacto possível em nossos negócios. Por isso, temos um diagnóstico validado como base para o desenho da nossa estratégia e deve servir-nos para nos conscientizarmos de que quanto maior o nosso nível de digitalização, maior a nossa velocidade de adaptação ao novo ambiente de trabalho e mercado que enfrentamos.

Para muitos gestores, a mudança é assustadora, mas deve ser enfrentada, porque o resultado de não mudar é ainda mais assustador para as empresas.

Estrategia Disruptiva RC9

Como definir uma estratégia de transformação digital em tempos de COVID-19

O surto de COVID-19 é, acima de tudo, uma tragédia para a saúde e humana que afeta centenas de milhares de pessoas, que está tendo um impacto dramático no futuro da economia mundial. Todas as empresas foram apanhadas de surpresa, talvez porque as suas prioridades eram ir de encontro ao dia-a-dia, às necessidades dos clientes e por terem deixado de lado a estratégia e necessidades futuras como empresa. Entramos de forma inesperada e rápida em um período em que grandes riscos estruturais estão impactando intensamente as empresas e em que o digital se tornou o centro de todas as interações, obrigando as empresas a avançarem sua curva de adoção de tecnologia durante a noite.

Fazer as coisas de forma diferente é a chave, mas onde na empresa você precisa fazer esses ajustes? A vantagem será aproveitada por empresas que mudam o modelo de negócios e usam a disrupção para oferecer experiências nunca antes vistas. Porque criar valor não significa oferecer sempre a mesma coisa, mas sim quebrar padrões, virar as regras, imaginar, inventar e implementar o que os usuários podem nunca ter imaginado antes.

Sempre afirmei em fóruns que a inovação disruptiva não é uma questão de inovar (apenas) em produto / serviço, é sobretudo inovar no modelo de negócio. Alguns exemplos representativos são o que fez Ferra Adrià, fundador do melhor restaurante do mundo em anos (ElBulli), onde o seu sucesso era que iriam viver uma experiência única. Com o seu "como" altamente inovador (desenvolvimento de novas tecnologias gastronómicas) criou dezenas de pratos únicos que produziram sensações e experiências extraordinárias (o "o quê").

Assim, o sucesso do Cirque du Soleil deveu-se ao fato de ser um circo e não um circo. Como os modelos Amazon, Uber ou Airbnb, que respondiam a perguntas que ninguém havia pensado ou implementado antes.

"Simplicidade é a sofisticação máxima" - Leonardo da Vinci

Como eu indiquei; No mundo da disrupção, é fundamental sair da zona de conforto e realizar questionamentos contínuos para oferecer experiências, produtos ou serviços que impactem de tal forma que o consumidor comece a estabelecer uma relação comercial transcendental com sua marca.

Estrategia Disruptiva RC15.jpg

Fonte: Impact Hub Academy - Espanha

Nesse sentido, posso afirmar que o sucesso e a conquista da disrupção dependerão da capacidade da empresa em evoluir seu modelo de negócios com inovações sustentáveis ​​(geralmente, incrementais) que melhorem o desempenho do produto / serviço, mantendo o foco. No salto do mercado de alta lucratividade e uma vez consolidado e fortalecido, a empresa desenvolverá um modelo que não é fácil de copiar pela concorrência, é então que se consome o fenômeno da disrupção. Você pode ver essa tendência no gráfico anterior (Matriz de inovação).

Exemplos de disrupção foram apresentados e apresentados seguindo esses padrões que constituem as chaves para uma estratégia de inovação disruptiva, e não há dúvida de que continuarão a acontecer ao longo dos anos em qualquer setor ou mercado. Alguns exemplos de rupturas são o da fabricante japonesa de motocicletas Honda ao entrar no mercado americano, as rupturas geradas pelo smartphone para o PC (sendo o iPhone da Apple o pioneiro). Grandes empresas extintas como a Blockbuster ou falidas como a Kodak sofreram as consequências da ruptura causada respectivamente pela Netflix e pela digitalização do modelo de negócio fotográfico.

O futuro da empresa

A estratégia sempre focou em garantir que a empresa tenha uma vantagem competitiva - logicamente, porque se não a conquista, ela desaparece -, portanto, foca nos elementos essenciais para alcançar essa vantagem, além de buscar torná-la a mais sustentável possível ou, melhor ainda, inovador e, se possível, único. O núcleo da estratégia há muito tempo é satisfazer os clientes melhor do que os concorrentes, sempre mantendo os recursos em mente.

Sem dúvida, a conclusão dessa experiência será a necessidade de fazer uma revisão profunda de nossos planos estratégicos e de nossa capacidade de reagir a qualquer imprevisto como esta pandemia. Além desses planos de contingência, seria necessário que os líderes empresariais procurassem responder a questões como: a infraestrutura tecnológica foi devidamente preparada? Na minha estratégia digital havia considerado os riscos que me ajudaram a resolver a situação? Quais áreas de O meu negócio sofreu mais com o impacto da situação (devido ao excesso ou redução da carga de trabalho? As competências digitais do meu pessoal são adequadas? Tenho os parceiros tecnológicos adequados e tenho todos os perfis especializados do meu pessoal O que eu preciso? Ou eu tenho uma boa base tecnológica para lidar com a automação?

Poucas organizações são muito bem-sucedidas. E é que, além da estratégia, você precisa de um CEO ou um gerente geral com força e carisma que, por exemplo, conduza, motive, imagine, apóie, coordene e impulsione, tirando o melhor de cada pessoa, fazendo trabalho em equipa, para que toda a organização se concentre, com total determinação, na visão e nos objetivos que a estratégia projeta.

Devemos aproveitar o aprendizado dessa crise para priorizar a transformação da empresa. Também devemos tirar proveito disso para aumentar nossa resiliência e reforçar a força da digitalização e automação de processos.

VOCÊ DESEJA DEIXAR SEU COMENTÁRIO AQUI

Leave a Reply

Your email address will not be published.