Metamorfose da educação promovida pelo COVID-19

O coronavírus (COVID19) está mudando instantaneamente a maneira como a educação é ministrada, pois a escola e o lar agora se tornam um lugar depois das políticas de saúde ditadas pela maioria dos governos. Segundo a UNESCO, mais de 862 milhões de crianças e jovens em 119 países foram afetados por ter que enfrentar a pandemia global que nos afetou.

Muitas das medidas adotadas pelos Ministérios da Educação dos países da América Latina, acima de tudo, revelam as limitações de um grande número de famílias, pois, para muitos, acaba sendo uma complicação, enquanto para outros a situação é ainda mais preocupante. Em países onde 70% dos estudantes vêm de famílias de baixa renda, levar para casa a escola significa enfrentar a possibilidade de não oferecer refeições adequadas, sem falar na tecnologia ou conectividade necessária para o aprendizado on-line. A realidade é que a maioria das escolas não está preparada para essa mudança que nos permite reconhecer que o acesso desigual à Internet é apenas um dos muitos problemas enfrentados pelo nosso sistema educacional globalmente.

Segundo o Fórum Econômico Mundial, apenas cerca de 60% da população mundial tem acesso à Internet, incentivando muitas escolas e universidades a buscar soluções provisórias inovadoras para esta crise, como o sistema educacional da Costa Rica (público e privado) que precisou buscar os meios tecnológicos que rapidamente deram a eles uma solução temporária (plataformas de e-learning, salas de conferência ou o WhatApp mais prático em muitas latitudes).

Universidades y COVID RC11

Como resultado, surgem muitas perguntas que tendem a afetar de maneira desigual aqueles que estão em desvantagem. O apoio que será fornecido, por exemplo, a milhares de mães solteiras que precisam de escolas abertas porque precisam trabalhar e que, devido ao tipo de trabalho, o empregador não lhes permite trabalhar em casa, muitas famílias que terão que aprender a orientar a educação dos filhos. seus filhos em casa ou aquelas crianças que dependiam da comida fornecida nas escolas.

Além disso; Essas dificuldades também foram replicadas, não apenas no ensino primário ou básico, mas em milhares de universidades que tiveram que fechar suas salas de aula devido a essa pandemia. Harvard, Cambridge, MIT, UCLA, para citar apenas algumas instituições às quais ingressaram, fizeram uma pausa em todas as aulas presenciais, eventos acadêmicos e outros serviços, para trocá-los por palestras e palestras on-line. Como resultado, milhares de estudantes de ensino superior em todo o mundo tiveram que deixar seus campus após o aviso de despejo que levou muitos sem recursos ou opções disponíveis. Todas essas medidas foram tomadas após o estado declarado de emergência em diferentes países.

"A maior mudança que o aprendizado virtual exige é a flexibilidade e o reconhecimento de que a estrutura controlada de uma escola não é replicável on-line." - Noah Dougherty (Elementos da Educação)

Em questão de semanas, a maneira como os alunos aprendem mudou e apenas essas transformações nos dão um vislumbre das falhas patrimoniais que os sistemas educacionais continuam a apresentar, mesmo nos círculos mais privilegiados. O Fórum Econômico Mundial afirma que essa pandemia se torna uma oportunidade para nos lembrar das habilidades que nossos alunos precisam apenas em crises como essas, sendo informadas a tomada de decisões, a resolução criativa de problemas e, acima de tudo, a adaptabilidade. Para garantir que essas habilidades permaneçam uma prioridade para todos os alunos, a resiliência também deve ser integrada em nossos sistemas educacionais.

Universidades y COVID RC7

A digitalização da educação

Por mais prazos que as autoridades em matéria de educação concedem na América Latina e no mundo para ordenar as idéias de como avançar virtualmente, estamos definitivamente em um momento de inflexão do qual não há volta: a revolução educacional digital.

Sugiro que as autoridades do setor, públicas e privadas, revejam o modelo tradicional e reinventem um novo modelo que servirá de base para os novos profissionais do século XXI a partir desta segunda década, onde estamos em plena situação de saúde que afeta o mundo em todas as partes. escopos, difícil de prever alguns meses atrás.

É fato que as instituições educacionais e universitárias terão que adquirir da sociedade o pacote completo de criatividade, inovação e conhecimento, partindo de seus pontos fortes como medida de contenção e orientação diante de situações novas e surpreendentes que passaremos dia após dia, de acordo com a evolução mundial. a partir deste momento. Eles terão que se conectar ao mundo digital e modelar uma metodologia diferente para esses tipos de canais que agora serão virtuais.

Com isso, quero dizer que o tradicionalismo pedagógico não responde ao dinamismo cognitivo que caracteriza a aprendizagem do século XXI em progresso e transformação. As habilidades de aprendizagem metacognitiva por meio de recursos tecnológicos quebram os padrões estáticos do ensino tradicional.

Por outro lado; As plataformas de e-learning são uma resposta às demandas de aprendizado que o professor tradicional não está alcançando na sala de aula. Em seguida, o professor tradicional deve reinventar seu campo de ação educacional e implementar novos recursos tecnológicos de ensino para aprimorar a inteligência dinâmica do novo modelo de aluno imerso na digitalização. Ao contrário do ensino tradicional, que alimenta de longe dois canais sensoriais: o visual e o auditivo; plataformas virtuais são um suporte para gerar hipercognitivismo nas pessoas, estimulando sinapticamente o aprendizado.

O ensino tem o desafio de gerenciar uma cultura intelectual que ajude o aluno a exibir capacidades de trabalho em equipe, pensamento criativo, inteligência crítica (capacidade de discernir informações e doutrinação ideológica, rejeitada), habilidades sociais, pensamento proativo, projetar soluções que gerenciem adequadamente as informações disponíveis, auto-estima, empatia social, entre muitos outros aspectos.

Universidades y COVID RC12

Infelizmente, foi a crise global que estamos enfrentando através do COVID-19 que levou muitos a repensar as alternativas de educação virtual. A adaptação às mudanças digitais e a criação de recursos tecnológicos para a aprendizagem devem ter sido uma questão central no design de modelos pedagógicos. Mas agora pode ser o momento certo para mudar e reformular, fazendo as perguntas certas para obter as respostas certas e apoiando o novo modelo pedagógico (por causa do COVID19). Uma grande vantagem para o vírus.

Para finalizar, sugiro a criação de um laboratório de pesquisa em tecnologias educacionais que deve considerar a implementação de inteligência artificial, realidade aumentada, neurociência educacional, ciência da educação (a rigor), tecnologia da informação, etc. O resultado final deve ser novos recursos tecnológicos aplicados ao aprendizado.

Universidades y COVID RC13

Eu gostaria de conhecer suas idéias neste sentido

Leave a Reply

Your email address will not be published.