Modelos de negócios disruptivos

No mercado atual, onde as empresas existentes estão competindo com novos players disruptivos, como: AirBnB, UBER, Facebook, Alibaba, Amazon, etc ... Essas novas empresas assumem o mercado essencial das organizações existentes e ameaçam modificando radicalmente o funcionamento desse mercado.

As empresas tradicionais ou incumbentes enfrentam uma escolha: elas permanecem fiéis ao seu modelo antigo, arriscando a obsolescência ou adotam o novo modelo de negócios disruptivo para competir?

Estamos familiarizados com os casos em que as companhias aéreas de baixo custo, como a Ryanair e a EasyJet, redefiniram as expectativas dos clientes e mudaram o mercado. As companhias aéreas convencionais, como British Airways, Delta Airlines, para competir, também foram forçadas a apresentar ofertas de baixo custo, o que significava adotar um modelo de negócios radicalmente diferente. Mas, para a British Airways e Delta, isso não funcionou.

Se considerarmos a Delta Airlines como um caso de análise, poderíamos afirmar que operava sob um modelo de companhia aérea tradicional e diversificado para um modelo de companhia aérea de baixo custo não relacionado com a Delta Song, que acabou sendo fundamentalmente diferente do modelo tradicional, que criou a lógica negócios inconsistentes dentro da empresa e aumentou o risco de o diretor interferir ineficazmente. Como exemplo, os gerentes da matriz não puderam permitir que a Delta Song tomasse suas próprias decisões sobre programação e preços, adaptando-os às demandas de seu modelo de negócios de baixo custo. O novo modelo falhou e a Delta Airlines teve que se desfazer de sua companhia aérea de baixo custo.

Portanto, à medida que as empresas adotam formas disruptivas de operar para competir em mercados em rápida mudança, saber como gerenciar vários modelos em paralelo pode ser o que diferencia as organizações que terão problemas daqueles que terão sucesso.

Deve-se ter em mente que a tecnologia se tornou um elemento potencial de transformação já aplicado para otimizar processos, automatizar serviços, tornar mais eficiente o encontro entre oferta e demanda ou eliminar intermediários, e isso promete muitos mais benefícios nos próximos anos. anos, causando inovações disruptivas.

Modelos de Negocio Disruptivos RC9

Modelos de negócios

Tecnologias emergentes, como: Inteligência Artificial, Internet das Coisas, robótica, Blockchain, UAV (veículos aéreos não tripulados) e realidade virtual e aumentada, deram lugar a novos modelos de negócios que estão mudando a economia, nossas expectativas e nosso comportamento. Esse processo responde a uma dinâmica clara, a uma estrutura que ocorreu em todas as ondas tecnológicas e que segue um processo que começa com: (1) um avanço científico, (2) que se materializa em uma nova tecnologia, (3) que atinge o mundo dos negócios, (4) e altera a organização econômica e / ou social.

Há uma grande variedade de modelos de negócios disruptivos que estão surgindo, mas devido à sua relevância e impacto, prefiro destacar os quatro mais importantes abaixo: a) Aqueles derivados da transformação digital das empresas b) o modelo de economia de plataforma c) modelo descentralizado ed) economia emergente e mercados supérfluos.

A transformação digital causa a geração de novos modelos de negócios

A transformação digital das empresas é uma das grandes questões atuais. Com base na amplitude que a transformação digital proporciona, diríamos que ela abre o caminho e dá às empresas a oportunidade de inovar e introduzir novos modelos de negócios para as empresas.

Embora os negócios afetados por essa digitalização ainda estejam sendo determinados, o que está claro é que as empresas devem enfrentar uma mudança de estratégia e transferir recursos para novas iniciativas digitais, redesenhar a organização e transformar sua cultura se não quiserem ficar. de volta. Dessa forma, eles poderão aproveitar a oportunidade de criação de valor que a inovação disruptiva representa, em vez de vê-la como uma ameaça.

Nesta seção, eu sempre gosto de mencionar a história de sucesso que a Domino's Pizza teve na transformação digital. Essa enorme empresa, com mais de 15.000 estabelecimentos espalhados por todo o mundo, pode se orgulhar de ser líder em entrega de pizza em todo o mundo. A fórmula para o seu sucesso está na melhoria de seus produtos, com base nas opiniões de seus clientes, através das redes sociais, como principal fonte de informação. Juntamente com a adaptação digital que eles fizeram (os pedidos podem ser feitos em qualquer dispositivo: smartphone, TV inteligente, smartwatch ... Tanto que metade dos pedidos são on-line).

Modelos de Negocio Disruptivos RC2

Plataformas de economia colaborativa

Nesse sentido, analisamos os modelos de negócios P2P (pessoa a pessoa) ou a economia colaborativa. São novos modelos de negócios baseados em plataformas ou aplicativos que operam sob demanda e que normalmente digitalizam uma atividade que já foi realizada de forma analógica, com ou sem fins lucrativos. Eles eliminam a empresa intermediária da equação, que é substituída pela plataforma que facilita a conexão com a pessoa que presta o serviço ou tem o imóvel a ser adquirido.

Este novo modelo permite tirar proveito dos recursos subutilizados; eles colocam novos produtos e serviços no mercado; eles facilitam a melhor opção de oferta e demanda; acelerar a inovação; eles criam demanda e nova atividade e estimulam o mercado. Além disso, oferece redução de preços ou melhor qualidade e variedade de serviços, também os oferecidos pelos atores tradicionais. Os casos de sucesso nesse tipo de plataforma são: AirBnB ou UBER, aludindo às externalidades negativas associadas a elas em questões de concorrência, regulamentação, impostos.

Modelo descentralizado

Os consumidores não precisam mais de uma entidade intermediária que centralize o fornecimento de bens e serviços, mas podem fazê-lo diretamente entre eles, por meio de plataformas.

Um dos grandes nichos do modelo P2P é o crowdfunding, que facilita as contribuições financeiras entre pares. Existem diferentes tipos: doação; recompensa (a pessoa que contribui recebe uma compensação que o beneficiário estabelece); financiamento coletivo (investimento) ou financiamento coletivo (empréstimos).

Esses modelos já fazem parte da revolução da fintech que ameaça o setor bancário. Eles desintermediam o processo e descentralizam-no, sem a necessidade de entidades financeiras no meio (embora precisem de uma plataforma). A tecnologia usada em uma alta porcentagem nesse tipo de negócio financeiro mencionado é o Blockchain. Como sabemos; Bitcoin é uma moeda digital que usa criptografia criptográfica como um sistema de segurança e anti-falsificação. É o primeiro de seu tipo que pode operar sem a necessidade de bancos ou de uma autoridade central, sem revelar dados sobre a identidade daqueles que realizam as transações.

Modelo de mercados superfluídos

O desenvolvimento tecnológico tornou possível criar um StartUp em um dia e criar uma loja de vendas pela Internet em poucas horas.

Tudo em menos tempo, mais barato e extraordinariamente mais fácil do que uma década atrás. A tecnologia está criando novos mercados superfluídos (muito ágeis, sem resistência ou atrito e quase zero de custos de transação) e transformando empresas e mercados como os conhecíamos.

A facilidade de informações e tomada de decisões, redes e automação, robótica e novos modos de fabricação estão mudando setores e setores inteiros. Modificando produtos e serviços a uma velocidade cada vez mais rápida.

É necessário salientar que esses tipos de empresas usam a nuvem para hospedar seus negócios, usam programas de código aberto para suas plataformas de gerenciamento e comércio eletrônico e pagamento para realizar suas transações pela Internet.

Modelos de Negocio Disruptivos RC4

Conclusões

Do ponto de vista comercial, o impacto de modelos de negócios disruptivos é claro: setores e setores financeiros, de seguros, de transporte, de automóveis, hoteleiros ou aeroespaciais são cercados por novas StartUps que ameaçam seus negócios e aceleram mudanças inevitáveis. . No entanto, até que ponto isso é uma ameaça? Os operadores históricos não têm melhores defesas?

Especialistas acreditam que as perspectivas são mais favoráveis ​​para as grandes empresas, que não param de crescer. É o caso, por exemplo, do caso da indústria hoteleira, que projeta um futuro de sucesso contínuo. No entanto, os hoteleiros estão enfrentando uma renovação e transformação necessárias, das quais muitas vezes estão cientes e das quais participam. Alguns optam por inovar e outros pressionam para impor o que pode ser visto como barreiras à entrada em novos modelos de negócios.

Outro debate que surge em torno da substituição de empresas intermediárias por plataformas e sobre a desintermediação que tecnologias como Blockchain facilitam é como um mercado desintermediado é percebido e organizado diretamente entre consumidores e fornecedores, sem a necessidade de uma autoridade central.

Obviamente, a tecnologia já permite, mas o sistema geralmente paralisa e é um obstáculo à sua aplicação. Um exemplo disso são os casos da UBER e AirBnB na Espanha, onde suas atividades foram limitadas por lei. As autoridades de concorrência da União Européia e da América Latina expressam suas vozes a esse respeito, que barreiras à entrada não são postas em prática para esses novos atores e pede-se aos legisladores que garantam o direito à inovação tecnológica, mesmo que represente uma Desafio a maneira tradicional de fazer negócios, especialmente considerando que as novas tecnologias podem melhorar a eficiência em favor dos consumidores. Um ponto a favor desse tipo de modelo é que eles possuem mecanismos de confiança baseados em sistemas de reputação digital que permitem pontuar, avaliar e comentar os serviços utilizados ou bens fornecidos e as pessoas com quem as transações são realizadas.

Dessa forma, a maneira como nos relacionamos e como consumimos é transformada. A confiança do serviço se torna um pouco mais mensurável através da reputação valorizada pela Internet.

DESEJA COMPARTILHAR SUAS IDEIAS?

Leave a Reply

Your email address will not be published.