Mudança no setor de saúde da digitalização

A interrupção digital oferece uma oportunidade sem precedentes para obter uma vantagem competitiva. Pesquisas recentes da Cisco mostram que a maioria dos executivos acredita que quatro em cada dez empresas consolidadas pelo setor falharão nos próximos dez anos se não concluirem a transformação digital.

Dessa forma, e para os fins deste artigo, gostaria de focar no setor da saúde, que baseia o conhecimento e se caracteriza pelo uso intensivo de informações. Por esse motivo, a irrupção das tecnologias da informação e comunicação deve ter um impacto ainda maior do que em outros setores não tão dependentes de dados, abrindo a porta para várias inovações disruptivas que nos permitem evoluir para modelos baseados nas necessidades de pacientes e profissionais. De fato, o setor de saúde não se transformou e sofre um atraso considerável em relação a outros setores, como bancos, logística, turismo, audiovisual ... Especialistas dizem que, se o compararmos com outros setores de serviços , é cerca de 10 anos atrás.

Uma aplicação correta das tecnologias da informação, tanto no campo da prevenção quanto no atendimento ou na pesquisa, aproveitando o excelente sistema de saúde que possuímos na Costa Rica e na maioria dos países da América, pode mudar o sistema saúde e melhorar o bem-estar dos pacientes, além de torná-lo sustentável. Para isso, a transformação digital deve ser tratada com urgência.

Qualquer sistema de saúde que aspire a melhorar ou permanecer entre os melhores do mundo deve ter a visão e determinação necessárias para introduzir novas tecnologias e as mudanças que elas implicam nos poucos sistemas sociais e de saúde flexíveis.

Em um processo de transformação digital de uma organização, a tecnologia em si raramente é o maior desafio, especialmente considerando que, no setor da saúde, a tecnologia já está presente, na forma de registros médicos eletrônicos, prescrição eletrônica, telemedicina, robôs cirúrgicos e até trabalho com sistemas de aprendizado de máquina já começaram. A tecnologia é o facilitador da transformação do processo, e não a causa raiz da própria transformação.

Os três aspectos principais a serem levados em consideração para a transformação do setor da saúde

Para conduzir e implementar com sucesso a transformação digital em qualquer organização, existem três aspectos principais: pessoas, processos e tecnologia.

Pessoas: O sucesso final da transformação digital depende das pessoas. É considerado o fator mais importante, uma vez que a essência dessa mudança é cultural e qualquer mudança cultural deve começar pelas pessoas. Uma transformação digital só ocorrerá se as pessoas certas estiverem envolvidas no processo e se todos concordarem com as mudanças que ocorrerão em toda a organização.

Tecnologia: Muitas vezes procuramos aplicar a tecnologia aos processos existentes, o que é uma abordagem errada. É recomendável primeiro analisar os processos e encontrar maneiras de otimizá-los. Ao procurar eficiências em processos e ferramentas, a longo prazo, o benefício será muito maior.

Os processos: A transformação digital requer uma mudança em toda a organização, na maneira de pensar, trabalhar e fornecer serviços aos usuários. A recomendação é trabalhar com a equipe, obtendo a participação apropriada e a equipe ideal e, em seguida, planejando os processos para alinhá-los aos objetivos estratégicos.

Digitalizacion de la Salud RC20

Gerenciando o principal ativo de saúde

Os dados são o principal ativo dos sistemas de saúde. Sua acessibilidade, disponibilidade, validade, integridade, precisão e exaustividade determinam amplamente o estado de saúde e bem-estar da população. Eles não são apenas necessários para fornecer atendimento de qualidade, mas também para garantir o progresso científico resultante da pesquisa.

O ciclo de vida dos dados (informação e conhecimento) é baseado e começa com a coleta de informações, na história clínica - parte fundamental da garantia de um sistema de saúde de qualidade - e termina com a transferência do novo conhecimento gerado. para pesquisa em práticas de saúde.

Desse modo, são abertas várias discussões sobre quais são as linhas de ação que devem ser mais desenvolvidas para se obter sucesso nesse tipo de processo de saúde; entre os quais podemos mencionar:

  1. É necessário chegar a um consenso para a disseminação dos padrões a serem usados ​​para retornar e fornecer suas informações ao cidadão, para que sejam tratáveis ​​e interpretáveis.
  2. Legislação e regulamentação para poder obter de maneira fácil, segura e padrão as informações próprias, resultantes da atenção.
  3. Plataformas confiáveis ​​que fornecem aos cidadãos custódia, acesso e serviços valiosos de todos os tipos sobre suas informações.

Os benefícios que a digitalização trará para o setor da saúde são indiscutíveis e também não devem dificultar a pesquisa clínica, mas apenas se os cidadãos, com a colaboração dos sistemas público e privado, forem os protagonistas dessa governança. Nesse contexto, é essencial que os sistemas público e privado sejam realmente guardiões e garantidores de dados de saúde nas possíveis relações que possam ser estabelecidas para pesquisa e assistência clínica.

Os dados relacionados à saúde são altamente sensíveis, podem conter informações sobre os aspectos mais íntimos de nossas vidas e podem nos expor a vários riscos, por exemplo, serem discriminados ou mesmo manipulados. O consentimento, então, por si só não parece suficiente. Nesse sentido, é necessário que a privacidade dos pacientes seja protegida, além disso, com o anonimato dos dados, ou seja, a eliminação de qualquer informação que permita identificar a pessoa, o que será essencial para continuar na rota de transformação digital com sucesso.

Digitalizacion de la Salud RC1

Casos de sucesso

É considerar os casos de sucesso nessa rota traçados pela digitalização do setor da saúde e, por esse motivo, quero considerar como referência alguns casos de sucesso alcançados em outros países.

Em 2017, o Japão reforçou a Lei de Proteção de Informações Pessoais (APPI), em vigor desde 2003. Esta lei é homóloga ao regulamento estabelecido na União Europeia para proteção de dados (GDPR). Com a introdução desta lei, é o cidadão quem autoriza o gerenciamento de seus dados, pois concede permissão para seu uso em todas as circunstâncias. Isso implica que os dados são armazenados em um banco de dados centralizado que agentes externos podem acessar se autorizado. Os benefícios desta lei se concentram no fato de que o agente interessado não precisa solicitar autorizações individuais para cada arquivo, o que incentiva a exploração de dados. Esta lei protege os dados e, por sua vez, permite o uso eficiente de dados para pesquisa e inovação no setor da saúde.

No início de 2000, a Administração de Veteranos dos EUA lançou um programa de telemedicina para pacientes crônicos, através do qual eles poderiam ser seguidos por profissionais de saúde remotos. Os pacientes do programa receberam os dispositivos necessários e instalaram-se em domicílio tele-monitores com periféricos, câmeras digitais e telefones, entre outros. Este programa é considerado um líder internacional e pioneiro, uma vez que é um dos sistemas de telemedicina mais difundidos. Além disso, é baseado em um sistema abrangente de assistência médica, incluindo todas as áreas terapêuticas e doenças.

A Dinamarca possui uma das Receitas Eletrônicas mais abrangentes e pioneiras internacionalmente. Essa ferramenta digital permite que os profissionais de saúde prescrevam, controlem e monitorem o medicamento. Além disso, os pacientes podem consultar a farmácia onde o medicamento está disponível e, assim, escolher para qual deles ir. Atualmente, esse sistema está disponível em todos os centros, aproximadamente 100% deles têm acesso à Prescrição Eletrônica, sendo um sistema totalmente digitalizado e unificado que também permite o controle da dispensação de medicamentos.

A Estônia criou um cartão eletrônico (DNI) que inclui todos os dados do cidadão, incluindo registros médicos. As informações são armazenadas em uma plataforma de propriedade do cidadão e na qual ele próprio concede autorização para acesso de agentes externos. O DNI permite criar a história de vida completa do paciente, incluindo todos os dados de saúde, promovendo eficiência no gerenciamento de dados e acesso instantâneo. A introdução do DNI eletrônico, disponível para todos os cidadãos e sua implementação global em todo o sistema, permitiu que todos os dados dos cidadãos fossem digitalizados, incluindo dados de saúde.

Por outro lado; A Noruega se destaca pelo alto nível de digitalização em todo o país. O Digital Health Record (HCD) é uma ferramenta usada pelos centros de saúde, incluindo os centros de atenção primária, onde 99% dos profissionais de saúde usam o HCD. Este país foi um dos pioneiros no compartilhamento sistemático de informações de cidadãos com profissionais de saúde por meio do Resumo Médico. Na Costa Rica, podemos dizer que, através do EDUS, foram tomadas algumas medidas nesse sentido; Falta muito trabalho na digitalização dos processos de saúde.

Cinco previsões para o setor de saúde até 2025

Todas as instituições públicas e empresas privadas do setor devem agir e apostar na digitalização, o que é crítico e que o atraso na sua aplicação significa perder uma vantagem competitiva.

A Fundação COTEC para a Inovação (Espanha) indicou em um de seus relatórios, as cinco previsões sobre o setor da saúde para 2025 são:

  1. O lar se tornará o local habitual para cuidados / monitoramento de saúde de rotina. E já estamos vendo isso rapidamente com a pandemia do COVID-19.
  2. Os hospitais serão reservados para tratamento especializado, trauma e emergências.
  3. Muitos dos contatos médico-paciente serão feitos virtualmente e serão informados com evidências do ambiente real.
  4. Mais de 70% da população mundial fará uma consulta por conexão de vídeo.
  5. Nos próximos anos, os indivíduos serão melhor informados sobre seu perfil genético, sua saúde atual e possíveis doenças futuras.
Digitalizacion de la Salud RC19

Gostaria de encerrar este artigo, apontando que a digitalização da saúde é o ecossistema de aplicação das tecnologias da informação. Esse aplicativo gera uma mudança disruptiva no setor, cujas necessidades de mudança veem nessas novas tecnologias as alavancas de mudança necessárias para obter segurança, eficiência e personalização na melhoria dos processos de saúde, além de tornar o sistema de saúde sustentável.

Você gostaria de fazer um comentário adicional a este artigo?

Leave a Reply

Your email address will not be published.